domingo, 2 de julho de 2017

Guru Purnima

Por ocasião da lua cheia (purnima) de julho, celebra-se o Guru Purnima, dedicado ao Sábio Vyasa e também, por extensão, a todos os mestres espirituais a quem recebemos o conhecimento em todas as áreas da atividade humana. É um momento para agradecer os ensinamentos e bênçãos recebidas e reforçar a devoção e a sintonia com o Guru.

A adoração devocional ao Guru – o preceptor espiritual – é um dos mais sublimes e tocantes aspectos da tradição cultural hindu. O momento auspicioso do Vyasa Purnima, também conhecido como Guru Purnima, escolhido para observar essa festividade anual, não é menos significativo. Foi o grande sábio Vyasa, filho de uma pescadora, que compilou o conhecimento espiritual acumulado dos Vedas sob 4 títulos – Rig, Yajur, Sama e Atharva. Foi ele que escreveu os Brahma Sutras. Foi ele que nos deu a versão organizada dos Upanishads. Ele também escreveu os dezoito Puranas, as histórias de nossos grandes heróis e santos, para transmitir os preceitos morais e espirituais para as pessoas comuns.

O Mahabharata, maior épico de todos os tempos– que abarca em si a imortal canção do Senhor, o Bhagavad Gita, também é uma dádiva inestimável de Vyasa. O Bhagavata, a emocionante e devocional narrativa de Sri Krishna, também foi sua contribuição. É assim correto pensar que Vyasa deva ser reverenciado como o supremo preceptor da humanidade. O oferecimento da adoração a ele equivale a adoração a todos os preceptores espirituais de todos os tempos.

O Guru na tradição hindu é reverenciado como a personificação do próprio Deus. Porque, é através de sua graça e de sua orientação que se alcança o mais elevado estado da sabedoria e da bem-aventurança. “Minhas saudações ao Guru que é Brahma, Vishnu e Maheswara. O Guru é Parabrahman encarnado”.

Gururbrahmaa gururvishnuh gururdevo Maheswarah |
Guruh-saakshaat parabrahma tasmai shrigurave namah ||

Para transmitir o impulso espiritual para qualquer alma, em primeiro lugar, a alma da qual ele procede deve possuir o poder de transmiti-la para uma outra alma, e em segundo lugar, a alma para a qual ela é transmitida deve estar preparada para recebê-la. A semente deve ser uma semente viva, e o campo deve já estar arado; e quando ambas essa condições estão preenchidas, o maravilhoso crescimento da genuína religião acontece. “O verdadeiro pregador da religião tem que ter qualidades maravilhosas e aquele que ouve deve ser inteligente”. E quando ambos tem essas qualidades extraordinárias, então o resultado será um verdadeiro despertar espiritual. Somente esses são os verdadeiros mestres, e somente estes são os verdadeiros discípulos, os verdadeiros aspirantes. 

Quando, através das instruções do Guru e através da sua própria convicção percebermos - não este mundo de nome e forma - mas a essência da própria existência, somente então realizaremos nossa identidade com todo o universo, desde o Criador até uma folha de grama, e somente então alcançaremos o estado no qual “os nós que atam nossos coração são cortados e todas as nossas dúvidas desaparecem”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe: