sábado, 12 de dezembro de 2015

Vós sois o sal da terra

"Ora, se o sal se tornar insosso, com que se há de salgar? Para nada mais serve, sendo para ser lançado fora e pisado pelos homens." Jesus Cristo

Na Índia, quando um discípulo busca um mestre, este, antes de mais nada, procura infundir-lhe confiança em si próprio, e o sentimento de que a fraqueza, a covardia e o fracasso não fazem parte da sua verdadeira natureza. No segundo livro do Bhagavad-Gita, quase às primeiras palavras de Sri Krishna — a encarnação divina — a Arjuna, lemos: "Que fraqueza é essa? Ela está abaixo de você... Livre-se dessa covardia!”

...um grande mestre vê o íntimo do seu coração. Entretanto, ele não o condena por suas faltas e fraquezas. Ele conhece a natureza humana. E porque sabe que, ao sentir-se fraco e deprimido, você não consegue realizar nada, não pode crescer espiritualmente — ele lhe transmite confiança em si mesmo. O mestre não enxerga apenas o que você é agora, mas também as capacidades que você pode desenvolver.

Ao mesmo tempo, impõe-se lembrar a bem-aventurança: "Bem-aventurados os mansos..." A mansidão e a confiança em si mesmo precisam estar juntas. A fé que Cristo incutia em seus discípulos, chamando-os de "sal da terra", não era a fé no Eu inferior, no ego, mas a fé no Eu superior, a fé no Deus dentro de nós. Com essa fé, vem a auto-submissão, a libertação de todo sentimento do ego. Aquele que entrega tudo a Deus, não possui um ego, no sentido comum. Nem consegue ser vaidoso ou orgulhoso. Tem profunda fé no Eu verdadeiro de seu interior, o qual se torna um com Deus.

As palavras de Jesus: "Sois o sal da terra..." relembra-me outras que meu mestre costumava citar-nos: "Vocês têm a graça de Deus, têm a graça do guru (mestre espiritual), e têm a graça dos devotos; mas, pela falta de uma única graça, vocês podem perder-se.”

Qual é essa graça única? É a graça da própria mente, o desejo de lutar em prol da perfeição. Se, a despeito de todas aquelas graças que nos tornariam "o sal da terra", falta-nos a qraça da nossa própria mente, podemos "ser pisados pelos homens". Precisamos empenhar-nos arduamente para entregar-nos por inteiro a Deus — a fim de que a divindade que está dentro de nós possa manifestar-se.
___
Fonte: O Sermão da Montanha segundo o Vedanta, Swami Prabhavananda, São Paulo: Pensamento, 1993, trechos do cap. II.