domingo, 30 de dezembro de 2012

Feliz 2013!!

Que 2013 venha repleto de realizações espirituais!
Que você possa experimentar a graça da Presença Divina dentro de você.
Feliz Ano Novo!
Retornaremos nossas atividades no dia 2 de janeiro às 19h30

Veja os vídeos que fizemos baseado no respeito e na harmonia das religiões.



quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Faminto e sedento do próprio Deus

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão saciados.

"Qual é a justiça da qual o Cristo nos quer sedentos e famintos? Trata-se da justiça que em inúmeras passagens do Antigo Testamento é praticamente sinônimo de salvação — noutras palavras, libertação do mal e união com Deus. Esta justiça, portanto, nada tem a ver com o que comumente pensamos como virtudes morais ou boas qualidades, não se relaciona com o bem em oposição ao mal, nem com a virtude em oposição ao vício; trata-se da justiça absoluta, da bondade absoluta. O faminto e sedento de justiça de que fala o Cristo é o faminto e sedento do próprio Deus.
 
Já se salientou que a maioria de nós não quer de fato Deus. Se nos analisarmos, descobriremos que nossos interesses relativos a Deus quase nada têm da força do nosso interesse por todo tipo de objetos materiais. Mas até mesmo um ligeiro desejo de conhecer a realidade divina é  um começo que nos pode levar mais acima.
 
Precisamos começar com um esforço próprio. Precisamos batalhar para desenvolver o amor ao Senhor, praticando a relembrança dele, rezando, adorando e meditando. À medida que praticarmos essas disciplinas espirituais, o nosso frágil desejo de compreendê-lo há de intensificar-se, até  se converter em fome violenta, em sede ardente.
 
Àqueles que lhe perguntavam como compreender Deus, Sri Ramakrishna dizia:
''Gritem-lhe com um coração anelante, e então vocês o verão. Após a luz rósea da aurora, surge o Sol; do mesmo modo, ao anelo segue-se a visão de Deus. Ele se revelará a vocês se vocês o amarem com a força combinada destes três apegos: o apego do avaro à sua riqueza, o da mãe à criança recém-nascida e o da esposa virtuosa a seu marido. “O anelo intenso é o caminho mais seguro para a visão de Deus.”
 
Precisamos aprender a direcionar todos os nossos pensamentos e toda a nossa energia, de forma consciente, para Deus. É preciso que se erga em nossa mente uma onda gigantesca de pensamento, envolvendo todos os desejos e paixões que nos desviam da meta espiritual. Quando a mente se torna focalizada e concentrada em Deus, então seremos locupletados de justiça.
 
 
Conta-se a história de um discípulo que perguntou ao mestre:
 
— Senhor como pode ter a percepção de Deus?
— Venha — disse o mestre —, vou lhe mostrar.

O mestre levou o discípulo a um lago e ambos mergulharam. De repente, o mestre chega ao discípulo a afunda-lhe a cabeça na água. Momentos depois, o solta e pergunta-lhe:
— Então, como se sentiu?
— Oh, eu quase morri de falta de ar — disse ofegante o discípulo.

Então o mestre retrucou:
— Quando você tiver essa mesma sensação intensa por Deus, não precisará mais esperar muito pela visão dele."
--
 In Sermão da Montanha segundo o Vedanta. Swami Prabhavananda. São Paulo: Pensamento, 1986. p. 26 e 27. 

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Na Expectativa de uma Graça Iminente

"Poucas pessoas aprenderam a viver na expectativa de uma graça iminente. A maioria de nós sente que tem tantas impurezas, tantas faltas a superar, tantas disciplinas a pôr em prática que talvez não consigamos atingir a Deus a não ser num ponto distante do futuro. Na verdade, essa aparente humildade não passa de vaidade, pois pressupõe que podemos conhecer Deus através de nossos próprios esforços, de nossa própria força. Isso não passa de tolice! Nossas próprias forças jamais nos farão puros, nem nos darão a visão de Deus. Ninguém pode comprar Deus com práticas espirituais. Dizem-nos as grandes almas que alcançaram a iluminação que o esclarecimento chega somente através da graça divina. 

No Katha Upanishad lemos:
'Não se conhece o Eu por meio do estudo das escrituras, nem pela sutileza da inteligência, nem pelo excesso de erudição. Aquele a quem o Eu escolhe, por esse ele é atingido. A ele verdadeiramente o Eu revela o seu próprio ser.'
De igual modo, declarou Cristo: "Não fostes vós quem me escolhestes, mas eu que vos escolhi..." Isto significa que a graça é necessária, mas significará isso acaso que Deus é parcial? Swami Turiyananda, interrogado certa vez a respeito, respondeu:
'O Senhor não é parcial. Sua graça desce igualmente sobre o santo e sobre o pecador, assim como a chuva cai sobre toda a terra. Entretanto, apenas a terra cultivada produz uma boa colheita.'
E Sri Ramakrishna dizia: "A brisa da graça está sempre soprando. Abre tua vela para captar essa brisa." Isso quer dizer que a graça de Deus está sempre sobre nós, mas o auto-esforço e as disciplinas espirituais são necessárias, a fim de que nos tornemos receptivos a ela. 
 Disse Cristo: 
'Estai, pois, atentos porque não sabeis quando o dono da casa há de chegar... Para que, vindo de improviso, não vos encontre dormindo.'

Precisamos estar vigilantes; precisamos lutar para fixar a mente em Deus, rezando e meditando. Ao mesmo tempo, porém, deveríamos saber que, absolutamente independente de nossos esforços, Ele pode se revelar a nós a qualquer momento, através da Sua graça. É preciso que estejamos sempre prontos."
 In Sermão da Montanha segundo o Vedanta. Swami Prabhavananda. São Paulo: Pensamento, 1986. pg.99.