terça-feira, 12 de junho de 2012

Conhecimento de Si mesmo e Autocontrole: essenciais no desenvolvimento espiritual


“Aquele que Me conhece como Sou, sabe que Me agrada o domínio de si mesmo, reconhece-Me como Senhor do Universo, e amante de todas as almas, e une-se comigo. Pois Eu sou o amparo de todos os que em Mim se refugiam.” Bhagavad Gita V:29

"A sede de prazer é nossa verdadeira enfermidade; seus sintomas são a luxúria, a ambição, o orgulho, o ódio, o ciúmes, a ira, etc. É necessário um tremendo poder mental e força de vontade para impedir que a mente se converta em ondas de paixão e ira. A grande inquietação mental de uma pessoa comum, escrava de seus desejos e paixões foi descrita em termos vívidos por um yogui, que poeticamente a comparou com um macaco cuja natureza é a própria inquietude. Mas pensando que isto não era suficiente, o yogui acrescentou, “um macaco ébrio e picado por um escorpião”. Quando alguém é picado por um escorpião salta de dor durante um ou dois dias; assim que podem imaginar a inquietude do pobre macaco. O poeta, no entanto, achando que algo faltava ao animal completou dizendo: “Por último o macaco foi possuído por um demônio”. As palavras não bastam para descrever o estado lastimoso daquele pobre macaco.

Tal é o estado comum de nossa mente. Intranqüila por natureza, torna-se ainda mais inquieta se bebe o vinho da ambição e é picada pelo escorpião do ciúme; mas alcança o máximo da agitação quando o demônio do orgulho entra nela e a domina por completo. Quão difícil é governá-la neste caso!

Conquistar a mente é mais difícil que conquistar o mundo inteiro. O que conquista sua própria mente é o maior herói e o verdadeiro conquistador do mundo. “Aquele que domina a seus pensamentos e sentimentos é maior que o conquistador de uma cidade”. Diz um yogui: “Se um herói vence em uma batalha a mil vezes mil homens e outro vence a si mesmo, este último é o maior conquistador”. Portanto devemos prestar atenção especial ao estudo da mente; devemos aprender a analisar sua natureza e vigiar constantemente suas várias modificações, tratando de desenvolver e robustecer o poder da vontade.


O yogui desenvolve o poder da vontade pela prática diária; desperta os poderes mais elevados e luta contra seus grandes inimigos até que logre a vitória. O perfeito autocontrole do yogui é aquele estado mental em que não há nenhuma classe de desejos e paixões que possam perturbar a paz e tranqüilidade de sua alma. Este estado pode ser alcançado mais facilmente se eliminamos as borbulhas dos desejos quando ainda não se transformaram em ondas de paixões, ou seja, atacando-as enquanto são débeis ainda. Isto pode fazer-se analisando a natureza dos desejos, ou comparando o prazer transitório que nos proporcionam os objetos sensórios com o estado pacífico e sereno da mente que não é perturbada por desejos e paixões. Também devemos recordar que o mais elevado ideal de nossa vida não é desfrutar o prazer dos sentidos e sermos escravos das paixões, senão obter o domínio sobre o eu inferior e realizar o Ser Divino.

Outro modo de lograr o domínio de si mesmo é mediante a concentração e meditação. Concentrai vossa mente no Ser Supremo e não permitais que nenhuma outra ideia ou desejo a atrapalhe nesta hora. Os que leram Luz da Ásia [uma biografia de Buddha] recordarão que quando Buddha se sentou para meditar embaixo da árvore bo, todas as impressões latentes começaram a surgir em sua mente. São descritas como acompanhantes de Mara, a personificação dos maus pensamentos. Mas Buddha disse: “É melhor morrer no campo de batalha lutando contra o inimigo, que ser vencido e forçado a viver como um escravo em busca de pequenos gozos e prazeres dos sentidos”. Com tão poderosa determinação Buddha se converteu em amo de si mesmo. Quem quer que tenha uma similar determinação de propósito e força de caráter logrará com certeza o perfeito autodomínio. Só aqueles que adquiriram o controle de si mesmos gozam de perpétua paz e felicidade nesta vida e alcançam a meta de todas as religiões – o conhecimento do Ser Divino."
---
Baixe e leia o texto completo: Desenvolvimento Espiritual  - Um importante texto introdutório sobre a Filosofia e Religião da Vedanta; profundo e abrangente. Tradução ao português do livro "Vedanta Philosophy - Three Lectures on Spiritual Unfoldment".  Por Swami Abhedananda (1866-1939), discípulo direto de Sri Ramakrishna.