domingo, 3 de abril de 2011

Equidade e Igualdade na espiritualidade

"A igualdade para todos é a essência dos princípios morais da Vedanta".

"A idéia de privilégio é a maldição da vida humana. ... a idéia de privilégio começa sendo exercida, de maneira brutal, pelos fortes sobre os fracos. Há o privilégio da riqueza: o homem que tem mais dinheiro quer ter regalias sobre o que tem menos. Existe o privilégio, ainda mais sutil e poderoso, do intelecto: o homem que tem mais conhecimento exige maiores prerrogativas. Finalmente, o pior de todos os privilégios, por ser o mais tirânico, é o da espiritualidade; os que pensam conhecer mais sobre Deus e a vida espiritual, reclamam para si as mais altas regalias.

Ninguém pode seguir a Vedanta e ao mesmo tempo admitir que qualquer tipo de privilégio fisico, mental ou espiritual seja exercido; de maneira categórica, não se admite privilégio para ninguém. O mesmo poder está dentro de cada pessoa; alguns o expressam mais, outros menos. Temos o mesmo potencial. Quem pode exigir privilégios?

A tarefa da Advaita é extinguir os privilégios.

... O mundo subjetivo governa o objetivo. Mude a causa e o efeito necessariamente mudará. Purifique-se e o mundo necessariamente se purificará. Agora, mais do que nunca, precisamos desses ensinamentos. Cada vez mais nos ocupamos de nosso vizinho e cada vez menos nos ocupamos de nós mesmos. O mundo mudará se mudarmos; se nos purificarmos o mundo se purificará. Eis a questão: por que ver o mal nos outros?

O sujeito mudou, então o objeto necessariamente mudará. Assim fala quem pratica a Vedanta. Quando chegarmos a este maravilho estado de igualdade, de equanimidade, haveremos de rir do que consideramos as causas da miséria e do mal. Na Vedanta isso se chama "alcançar a liberdade". O sinal de que nos aproximamos da liberdade é a manifestação cada vez maior de equidade e igualdade.



Assim, eliminando o privilégio e tudo em nós que o reforça, coloquemos em prática o conhecimento que permeará o sentimento de igualdade por toda a humanidade. Você se julga superior ao homem comum por usar uma linguagem mais refinada. Lembre-se que ao pensar dessa forma você não está caminhando para a liberdade, mas forjando mais um grilhão para seus pés. Acima de tudo, se a soberba da espiritualidade possuí-lo, infeliz de você. É a pior escravidão que existe. Nem a riqueza, nem qualquer outra coisa que possa aprisionar o coração humano, consegue oprimir tanto a alma. "Sou mais puro que os outros" é o pior pensamento que pode penetrar no coração humano. De que maneira você é puro? O Deus em você é o Deus em todos. Se você não tem conhecimento disso, não sabe nada. Como pode haver diferença? Tudo é um só. Cada criatura é templo do Altíssimo. Se você pode perceber isso, ótimo. Caso contrário, a espiritualidade ainda não chegou a você."

Swami Vivekananda, O que é Religião, Rio de Janeiro: Lótus do Saber, 2004, p.68-74 (excertos)

2 comentários:

  1. Muitas vezes, as pessoas consideram muito quantos anos têm de iniciação. Mas se depois de muitos anos não entendermos que "O Deus em você é o Deus em todos"...E que devemos cuidar da nossa vida sem criticar os motivos alheios; quer dizer que caminhamos muito pouco.
    Namastê

    ResponderExcluir
  2. "O teste para sabermos se o nosso egoísmo está diminuindo com as práticas espirituais é que sentiremos, cada vez mais, um sentimento de compaixão espontânea por todos os seres." Swami Bhajanananda (monge senior da Ordem Ramakrishna que
    reside atualmente no monastério de Belur, Índia)

    ResponderExcluir

Compartilhe: