quinta-feira, 24 de março de 2011

Meditação: Dicas de Vivekananda

"Sentemo-nos numa postura ereta. Enviemos uma corrente de pensamento elevado a toda criação. Mentalmente, repetiremos: 'Que todos os seres sejam felizes; que todos estejam em paz; que todos sejam bem-aventurados.' Façamo-lo para o leste, sul, norte e oeste. Quanto mais o praticarmos, melhor nos sentiremos. Descobriremos, por fim, que a maneira mais fácil de nos tornarmos felizes é saber que os outros são felizes e o melhor meio de nos tornarmos saudáveis é ver que os outros são saudáveis.


Feito isso, os que acreditam em Deus devem orar - não por dinheiro, saúde, não pela obtenção do céu. Oremos por conhecimento e luz; toda outra oração é egoísta. A seguir, pensemos que nosso corpo é firme, forte, saudável; é o melhor instrumento que possuímos. Pensemos nele como tão forte quanto o diamante, e que, com o seu auxílio, cruzaremos o oceano da vida. A liberdade jamais será alcançada pelos fracos. despojemo-nos de toda fraqueza. Digamos a nosso corpo que ele é forte, digamos à nossa mente que ela é vigorosa e tenhamos fé ilimitada e esperança em nós mesmos."


Swami Vivekananda, Raja Yoga, Rio de Janeiro: Vedanta, 1967, p. 55.

Leia também:
Meditação e comentários
Meditação: para conhecer a verdadeira natureza e não para desenvolver poderes
Meditação: A hora de meditar
Meditação com ou sem objeto

sábado, 19 de março de 2011

Sri Ramakrishna 175o. aniversário de nascimento

Sri Ramakrishna (1836-2011), o grande mestre da vedanta universal, considerado por muitos como uma personificação de Deus na era moderna, dava muita importância a levar-se uma vida espiritual, a praticar nesta mesma vida. Devemos recordar que somos criadores de nosso próprio destino. Na vida espiritual do praticante, a harmonia e a paz, a solidariedade e a igualdade prevalecerão naturalmente.

Cerca de 300 mil pessoas visitaram Belur Math por ocasião da celebração de seu 175o. aniversário de nascimento.
Sri Ramakrishna - Arati

Impulso para a felicidade eterna

"A mente humana possui um impulso para a felicidade e existência eterna. A iluminação total da mente, por meio de métodos subjacentes de concentração e meditação, evidencia a grandeza da mente por sua característica integradora e unificadora."

Swami Akhilananda, Psicologia Hindu. Buenos Aires: Paidos, 1964.

"O que o homem quer é a felicidade eterna, só que ele não sabe onde e como consegui-la. Ele confunde os prazeres sensórios pela bem-aventurança pura. Por isso ele deseja ter as coisas atrativas deste mundo e do além. Riqueza, filhos, fama, e centenas de outras coisas deste mundo o atrai e ele corre atrás delas. Ele consegue algumas e é feliz por algum tempo, outras fogem de seu alcance e ele sente o sofrimento, enquanto algumas outras permanecem em seu poder por algum tempo e então subitamente desaparecem. Tais perdas o fazem sofrer. Então novamente, tão logo ele ganha algumas coisas cobiçadas, novos desejos surgem e o tornam inquieto. E ele descobre, para sua tristeza, que os sentidos não podem ser pacificados pelo gozo. Pelo contrário, seus desejos aumentam desta forma. Assim sua vida torna-se uma corrida interminável atrás destes prazeres passageiros. Neste caminho ele jamais atinge a satisfação. O sofrimento, nascido dos desejos insatisfeitos e a perda forçada das coisas desejadas, o seguem a cada passo. E isto continua vida após vida. Mesmo o mundo superior e mais sutil onde ele consegue apenas prazeres não dá a ele a eterna bem-aventurança. Um homem de ações meritórias pode ir lá após a morte e desfrutar de intenso prazer. Mas isto é apenas por um tempo. Depois disso ele tem que voltar e nascer novamente nesta terra. Na verdade, enquanto o homem é dirigido pelos desejos, nem este mundo ou o próximo pode dar a ele a eterna bem-aventurança. O desejo é verdadeiramente a corrente que o prende à roda do nascimento e da morte.”
Swami Yatiswarananda, "How to Seek God", pág. 1.

quarta-feira, 9 de março de 2011

segunda-feira, 7 de março de 2011

Do egoísmo ao amor universal

"Dizem alguns que o egoísmo é o único poder motivador por trás das atividades humanas. É também amor, aviltado quando se particulariza. Quando penso em mim, abrangendo o Universal, não estou pensando de maneira egoísta; mas quando, por engano, penso que sou uma insignificância, meu amor torna-se particularizado e estreito. O engano consiste em tornar estreita e contraída a esfera do amor. Tudo o que existe no universo tem origem divina e merece ser amado. Contudo, é preciso ter em mente que o amor ao todo inclui o amor às partes."

Swami Vivekananda ,  "O que é Religião", Ed. Lótus do Saber.
"Só a abençoada loucura do divino amor
pode curar para sempre
a doença do mundo, da qual padecemos."