quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

2011 possibilidades e muito mais!

Desejamos a você um ANO NOVO repleto de sublimes realizações!

"Conhecimento é poder; no momento em que começamos a conhecer alguma coisa adquirimos poder sobre ela. Da mesma forma, quando a mente começa a meditar nos diferentes elementos, ela adquire poder sobre eles." Swami Vivekananda

Japa - Uma disciplina espiritual complementar à meditação

"Para a maioria das pessoas, meditar não é uma tarefa fácil. Mesmo Patânjali, o maior expoente da yoga e da meditação, tinha consciência disso. Como alternativa às disciplinas da yoga, ele prescrevia o ishwara-pranidhana, ou devoção a Deus. Shri Ramakrishna sustenta a visão de Patânjali quando afirma que, nessa era tão estressante, devoção ou bhakti yoga é o caminho melhor e mais fácil para a maioria das pessoas. Como prática devocional, a repetição do nome de Deus, ou japa, é considerada uma fórmula extremamente eficaz." Swami Bhaskarananda, Meditação - a mente e a yoga de Patânjali, Rio de Janeiro: Lótus do Saber, 2005, p.173

“Ouve as instruções: Fecha bem as portas dos teus sentidos corporais. Domina o teu coração, concentra a tua mente sobre o teu Eu interior, e não a deixes vaguear no exterior, nem ocupar-se com os pensamentos estranhos. Se constante e firme em teu propósito, e repete silenciosamente a mística palavra AUM, cujos três sons ou letras são símbolos do Ser Supremo, como Criador, Conservador e Destruidor. Se assim te comportares, quando chegar a hora de deixares o teu invólucro corpóreo, entrarás no caminho da Suprema Ventura.” (Bhagavad-Gita VIII:12-13)

“Pois não há diferença entre judeu e grego; um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam, porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” (Romanos 10:12-13)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Feliz Natal!


Foto: Natal em Belur Math (Sede da Ordem Ramakrishna) - Christmas Card by Ramakrishna Vedanta Ashrama

"Possa Ele que é o Brahman dos hindus, o Ahura-Mazda dos parsis, o Buda dos budistas, o Jeová dos judeus e o Pai dos Céus dos cristãos, abençoar-lhe com forças para realizar o seu nobre ideal." Swami Vivekananda

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Celebração do nascimento da Santa Mãe

Carinhosamente chamada de "Santa Mãe", Sri Sarada Devi (1853-1920) foi a consorte e companheira espiritual de Sri Ramakrishna, que a tratou como uma manifestação especial da Divina Mãe do universo.

Nesta  quarta-feira, 22/12, às 19h, celebraremos no seu nascimento e sua abençoada vida, com mantras, cantos devocionais, leitura, oferenda de flores e meditação. Este ano a data de seu nascimento é dia 27/12, segundo o calendário hindu (Vishuddha Siddhanta Almanac).
"Meu filho, a mente é como o elefante bravio. Ela desafia o vento. Portanto, deves discriminar sempre. Deve-se trabalhar duramente pela realização de Deus. Que maravilha era a minha mente naquele tempo! Alguém costumava tocar flautà, à noite, em Dakshineswar. Eu ouvia o som da flauta e minha mente se tornava extremamente ansiosa pela realização de Deus. Eu pensava que o som vinha diretamente de Deus e entrava em Samadhi." (Assim falou Sri Sarada Devi, a Santa Mãe, Ed. Vedanta, p.35)

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Celebração de Natal

Neste sábado, 18/12 às 17 horas, celebraremos o nascimento de Jesus Cristo com cantos, leituras, meditação, oferenda de flores no altar e confraternização.
Todos são bem-vindos!

"Deixai vir a mim as criancinhas..."

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A meditação como constante lembrança de Deus

"A prática da meditação é necessária no caminho da Realização. Que é, em realidade, essa meditação acerca da qual ouvimos falar com tanta frequência? É a prolongada continuação de um só pensamento. Devemos escolher um tema de pensamento, o mais adequado para cada um de nós e prosseguir, sem interrupção, até alcançar o seu fim. Para o principiante é difícil esse processo e requer uma prática diária e sistemática. A mente de um principiante é sempre caprichosa, inquieta, indisciplinada; recusa agarrar-se a um único pensamento por muito tempo, ou melhor, é incapaz de fazê-lo.

Existe também outra razão poderosa que impede a mente do principiante em permanecer tranquila e concentrada; ainda que tenha escolhido, ele próprio, o tema de sua meditação e mesmo que esse tema seja o mais apropriado, não é ainda o predileto, pois o gosto demora em formar-se. Por essa razão, enquanto medita, enquanto busca conscientemente fixar o pensamento nessa idéia de suma importância, vê o principiante, com frequência e total desconcerto, que surgem em si mesmo outras mil idéias diferentes, pugnando umas com as outras, fazendo-o esquecer do tema da meditação.

Mas nem mesmo então deve-se desesperar. É então que se torna mais necessário afugentar as idéias cansativas que testam nossa mente e pretendem forçar-nos a abandonar o caminho da Sabedoria, o caminho da Libertação. Nossa meditação deve ser um sereno fluir de pensamentos, semelhante ao fio de azeite, contínuo e ininterrupto, que cai de um cântaro.

Praticando com paciência, uma vez e outra, certamente lograremos o resultado. Também pode-se interpretar a meditação como uma constante lembrança, sinônimo de devoção. Pensar sempre em Deus, recordar a todo instante que Ele é a Alma de nossa alma, nosso verdadeiro ser, nossa consciência pura, constitui a mais alta devoção."
Swami Vijoyananda, A Religião do Homem, Rio de Janeiro: Vedanta, p. 107 e 108.