quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Vida espiritual genuína













"Nossa vida deve ser sempre uma vida natural, mas por vida natural queremos significar uma vida em sintonia com a nossa natureza superior, não com a nossa natureza animal inferior. É exatamente o oposto do que a compreensão mundana entende pelo termo "vida espiritual". Verdadeira vida espiritual é o resultado da fome da alma. É o resultado de um intenso desejo de elevar-se a um plano superior." --Swami Yatiswarananda

domingo, 2 de julho de 2017

Guru Purnima

Por ocasião da lua cheia (purnima) de julho, celebra-se o Guru Purnima, dedicado ao Sábio Vyasa e também, por extensão, a todos os mestres espirituais a quem recebemos o conhecimento em todas as áreas da atividade humana. É um momento para agradecer os ensinamentos e bênçãos recebidas e reforçar a devoção e a sintonia com o Guru.

A adoração devocional ao Guru – o preceptor espiritual – é um dos mais sublimes e tocantes aspectos da tradição cultural hindu. O momento auspicioso do Vyasa Purnima, também conhecido como Guru Purnima, escolhido para observar essa festividade anual, não é menos significativo. Foi o grande sábio Vyasa, filho de uma pescadora, que compilou o conhecimento espiritual acumulado dos Vedas sob 4 títulos – Rig, Yajur, Sama e Atharva. Foi ele que escreveu os Brahma Sutras. Foi ele que nos deu a versão organizada dos Upanishads. Ele também escreveu os dezoito Puranas, as histórias de nossos grandes heróis e santos, para transmitir os preceitos morais e espirituais para as pessoas comuns.

O Mahabharata, maior épico de todos os tempos– que abarca em si a imortal canção do Senhor, o Bhagavad Gita, também é uma dádiva inestimável de Vyasa. O Bhagavata, a emocionante e devocional narrativa de Sri Krishna, também foi sua contribuição. É assim correto pensar que Vyasa deva ser reverenciado como o supremo preceptor da humanidade. O oferecimento da adoração a ele equivale a adoração a todos os preceptores espirituais de todos os tempos.

O Guru na tradição hindu é reverenciado como a personificação do próprio Deus. Porque, é através de sua graça e de sua orientação que se alcança o mais elevado estado da sabedoria e da bem-aventurança. “Minhas saudações ao Guru que é Brahma, Vishnu e Maheswara. O Guru é Parabrahman encarnado”.

Gururbrahmaa gururvishnuh gururdevo Maheswarah |
Guruh-saakshaat parabrahma tasmai shrigurave namah ||

Para transmitir o impulso espiritual para qualquer alma, em primeiro lugar, a alma da qual ele procede deve possuir o poder de transmiti-la para uma outra alma, e em segundo lugar, a alma para a qual ela é transmitida deve estar preparada para recebê-la. A semente deve ser uma semente viva, e o campo deve já estar arado; e quando ambas essa condições estão preenchidas, o maravilhoso crescimento da genuína religião acontece. “O verdadeiro pregador da religião tem que ter qualidades maravilhosas e aquele que ouve deve ser inteligente”. E quando ambos tem essas qualidades extraordinárias, então o resultado será um verdadeiro despertar espiritual. Somente esses são os verdadeiros mestres, e somente estes são os verdadeiros discípulos, os verdadeiros aspirantes. 

Quando, através das instruções do Guru e através da sua própria convicção percebermos - não este mundo de nome e forma - mas a essência da própria existência, somente então realizaremos nossa identidade com todo o universo, desde o Criador até uma folha de grama, e somente então alcançaremos o estado no qual “os nós que atam nossos coração são cortados e todas as nossas dúvidas desaparecem”.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Que conhecimento é considerado superior segundo o Vedanta?

"De acordo com o Vedanta, há dois tipos de conhecimento. O primeiro, inferior, consiste no conhecimento acadêmico, como o das ciências e da filosofia. Mesmo o conhecimento das escrituras é considerado inferior. O segundo, o conhecimento superior, é a percepção imediata de Deus. A pessoa iluminada por esse conhecimento superior não precisa de informações enciclopédicas a fim de discorrer sobre as escrituras: ela ensina a partir da sua experiência interior."

"A pessoa que viu Deus não carece de conhecimento acadêmico para ensinar religião. Seu coração foi purificado e iluminado e sua luz se irradia e conforta a todos. Ele não precisa sair à cata de discípulos. Sri Ramakrishna costumava dizer que, quando a flor de lótus desabrocha, as abelhas afluem de toda parte, espontaneamente, em busca do mel. 'Façam a lótus florir!" - repetia ele aos discípulos."
In: O Sermão da Montanha segundo o Vedanta. Swami Prabhavananda. São Paulo: Pensamento, 1986. P. 42-3

terça-feira, 4 de abril de 2017

O que transcende o mundo fenomenal?

Yadvācā ‘nabhyuditam yena vāgabhyudyate; Tadeva brahma tvam viddhi nedam yadidamupāsate.

Conheça aquilo como Brahman somente, que não pode ser descrito pela fala e pelo qual a fala torna-se um veículo de expressão. Ele [Brahman] não é este mundo dos sentidos que as pessoas adoram. (Kena-Upanishad - 5)

A fala não pode revelar o Ser, ou Brahman. Por que não? Pois o Ser revela a fala. Não haveria a fala sem a presença do Ser. Este Upanisad começa com a questão, ‘Quem está por trás de todos estes fenômenos?’ Estamos impressionados pelo mundo fenomenal. Estamos impressionados pelas ações de nossas mentes e outros órgãos. Portanto perguntamos, ‘Quem ou qual poder está por trás deles?’ Os cientistas algumas vezes dizem que se houver um criador, então ele seria um grande matemático, pois tudo é tão bem calculado neste mundo. Outros dizem que ele deve ser um grande engenheiro. Vendo como tudo trabalha tão perfeitamente, todos nós às vezes nos espantamos, ‘Quem torna isto possível?’ É Brahman que torna isto possível. Este Upanisad nos diz para tentar conhecer aquele Brahman. Este mundo fenomenal parece tão real para nós. E correndo atrás de objetos deste mundo sensório, nós de fato o adoramos. Mas temos que saber que este mundo não é nada. É uma aparência. Correndo atrás dos objetos do mundo, corremos atrás daquilo que é irreal. Por isso sofremos. Por trás deste mundo fenomenal está Brahman, a realidade, e somos um com aquele Brahman. Temos que livrar-nos de nossa ilusão e tentar realizar Brahman.
--
Comentários de Sri Shankara ao Kena Upanishad e notas de Swami Lokeswarananda, monge da Ordem Ramakrishna.
--
O Kena Upanisad é chamado assim, pois começa com a palavra kena, ‘por quem’. ‘Por quem é controlado este mundo fenomenal?, o Upanisad pergunta. A resposta é Brahman.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Awake! Levante, desperte e não pare até alcançar a meta!

O poder do toque vigoroso das palavras de Swami Vivekananda (1863 - 1902) ultrapassa o tempo.... e continua convidando-nos para o despertar interior e para servir o próximo. Com base no lema do Katha Upanishad ele insistia: "Levante, desperte, e não pare até alcançar a meta!" (Arise, awake, and stop not till the goal is reached). Em 4 de julho de 1902, Swami Vivekananda deixou conscientemente seu corpo em estado de samadhi (êxtase espiritual). Um legado de ensinamentos, canções e bênçãos se perpetuaram a partir de sua missão no mundo. Ele impactou os EUA, sendo aclamado como o "monge do direito divino", por ser inclusivo e falar em nome da harmonia das religiões no 1o Parlamento Mundial das Religiões ocorrido em Chicago em 1893. Sister Nivedita teve um papel muito importante na concretização de seus ideais. 

---

"Awake, awake, great ones! The world is burning with misery. Can you sleep? Let us call and call till the sleeping gods awake, till the god within answers to the call. What more is in life? What greater work? The details come to me as I go. I never make plans. Plans grow and work themselves. I only say, awake, awake!" --Vivekananda
---
Swamiji nasceu em 12 de janeiro de 1863. Em 1984 o governo da Índia declarou e decidiu observar anualmente esse dia como o Dia Nacional da Juventude. 

sábado, 10 de dezembro de 2016

O Espírito Infinito em nós, a Alma de nossas almas...

"Um filho perguntou ao pai: 'Mestre, fale-me sobre Brahman'. 
E o pai respondeu: 'Compreenda Aquele de onde todas as coisas são provenientes, por quem vivem as coisas e para onde as coisas regressaram - este é Brahman'. (Taittirīya Upaniṣad, 3. 1. 1)

Em nossas escrituras devocionais (bhakti) chamamos Brahman por vários nomes como Narāyāṇa ou Kālī ou Śiva . Em Vedānta chamamos Īśvara ou Sat- Cit-Ānanda, Existência-Consciência-Felicidade Infinitas. Ele habita nosso ser como o Espírito de nossos espíritos. E nós também habitamos Nele.

Devemos sentir, pelo menos, a proximidade dele. Se nós não podemos sentir Sua proximidade, devemos tentar desenvolver a consciência de que ele está mais perto do que o mais próximo, que nos é mais caro que o mais querido.

Como já disse, para tudo isto precisamos ter a correta concepção de Deus. Mas Deus é vasto demais para a nossa concepção. Dou um exemplo: Somos como pequenas bolhas. O oceano é muito grande até mesmo para a nossa concepção. Então o que devemos fazer? Devemos encontrar algumas ondas potentes e nos deixar mover em direção a elas, nos agarrarmos a elas e através delas, no decorrer do tempo, teremos uma ideia do próprio oceano. 

Similarmente, começamos nossa viagem espiritual com uma onda grande como uma montanha: Nosso Iṣṭa Devatā. Nós O adoramos, oramos a Ele, e através de dele, chegamos a ter uma consciência mais elevada e uma concepção mais ampla da realidade. O Iṣṭa Devatā nos diz: 'Olhe aqui. Quer sejamos uma onda poderosa ou uma pequena bolha, cada um de nós tem o oceano infinito por detrás de si mesmo.' Quando chega o momento apropriado, Ele nos revela a verdade mais elevada, revela-nos que Ele mesmo não é outro senão o Espírito infinito."

Fontes: 
Texto - Swami Yatiswarananda, monge da Ordem Ramakrishna, Livro Meditation and Spiritual Life
Imagem - Jandir Carlos Welner, Centro Ramakrishna Vedanta Curitiba

terça-feira, 25 de outubro de 2016

ORIENTE E OCIDENTE, O SEGREDO ESTÁ EM COMBINAR O MELHOR DE AMBOS

Swami Vivekananda (1863-1902), o discípulo mensageiro de Sri Ramakrishna, antes de ir para os Estados Unidos, viveu como monge errante, percorrendo a Índia de norte a sul. Foi nesse período que começou a compreender qual era a fonte secreta da força de seu país. Observou que, apesar das condições miseráveis de pobreza e ignorância em que vivia e de todos os males que isso lhe acarretava, o povo ainda se mantinha firmemente arraigado aos antigos ideais da vida religiosa. O coração de Swamiji vibrava de orgulho pela grandeza espiritual de seu povo e sofria por seu desamparo material. Ao chegar ao ocidente, encontrou exatamente o inverso. De um lado, o conforto material, a prosperidade, a educação avançada e todas as conquistas do intelecto humano. Do outro, a carência espiritual, a falência em reconhecer o único propósito da vida, que é a revelação da presença de Deus no homem. 

Swamiji constatou que o ocidente não fora capaz de aceitar os ideais de Jesus Cristo de todo coração. Percebeu que a civilização perfeita consiste em combinar e harmonizar as generalidades do oriente e do ocidente. Em termos filosóficos, seria uma combinação da vida ativa com a vida contemplativa.

Assim que voltou à Índia, Swamiji conversou com seus irmãos-discípulos e deu uma nova expressão aos ideias propostos por Sri Ramakrishna.
- Não basta alguém dedicar a vida inteira à realização de Deus, apenas para si próprio - disse Swamiji. Vocês devem viver também pelo bem e a felicidade de todos.

Swamiji desejava que seus irmãos combinassem a vida contemplativa com o serviço à humanidade. Assim nasceu a organização conhecida pelo nome de Ramakrishna Mission.
--
Fonte: O Eterno Companheiro: Vida e Ensinamentos de Swami Brahmananda. p. 101/102